sexta-feira, janeiro 19, 2007


Imagem: M. C. Escher

Quando caminho para o trabalho, escolho sempre a rua dos chorões. Comovem-me os galhos verdes escorrendo em silêncio pela calçada. Subo sempre no mesmo ônibus. Invariavelmente atrasada. A paisagem também retrocede no tempo e quando percebo as alamedas da minha infância já estão por toda parte: o clube, a casa, a pré-escola. Pensamentos se misturam à fuligem dos carros e o barulho das avenidas, eu desço da estação-tubo e imagino minha mãe lendo o jornal na mesa da sala, tomando o café, no quinto andar. Quando caminho para o trabalho, lembro fragmentos de sonhos desordenados, quase sem sentido. Descontextualizadamente, aceno um cumprimento ao senhor da barbearia, um bom dia à mocinha que varre os azulejos da garagem, Quando caminho para o trabalho, reparo em casas que desconheço e imagino quem vive ali, seu nome e sobrenome. E então, pelo caminho, fotografo nuvens na retina para relembrá-las depois, debaixo das pálpebras.

E penso em ti já com saudades antes mesmo de fechar a porta de casa. A cama me abraça, você me abraça e o cheiro doce que fica nos meus cabelos me acompanha pela rua dos chorões. Quando caminho para o trabalho.

5 Comments:

Blogger Vizionario said...

Esse é um momento mágico mesmo. A ida ao trabalho e os ônibus foram criados para aqueles que criam.

5:43 PM  
Blogger acaso said...

Que lindo esse texto minha pequena!

5:54 PM  
Blogger insone said...

adoro. tu, o texto, os chorões e Escher.
bjobjo linda.

9:57 PM  
Blogger paula said...

estou a ficaire sábia ou bundona mesmo? essas suas coisas me emocionam de um jeito que nem sei. fico aqui, disfarçandinho um marejar de olhos.
ai , ai.

6:46 AM  
Blogger sub-literatura said...

eu havia encontrdo esse bog há muito tempo... e perdi, e reencontrei agora graças ao blog do kléber mendonça em cannes.

que lindo tudo aqui.

11:40 PM  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home